terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

AS VOLTAS QUE O MUNDO DÁ


Sempre visito o blog (listado ao lado) de um cara muito gente fina, o Blogildo (Onildo), um TJ, e como se pode imaginar, divergimos bastante em matéria de religião. Mas em outros assuntos, seja cultura, economia, política, concordo muitíssimo mais com ele do que com a maioria dos evangélicos. Ele defendeu, alguns dias atrás, a doutrina comum aos TJ e a vários pequenos grupos dentro da cristandade, da impropriedade de um cristão seguir as seguintes carreiras: política, militar, policial. Argumentei com ele sobre a inexistência de tais restrições na Bíblia. Colocarei abaixo respostas dele a comentários de leitores, e meus contra-argumentos:

Argumento: “Ora, ora, ora, do que será que Paulo está falando? Se Deus instituiu as autoridades e ele jamais vai contra o que ele mesmo instituiu como quer o Filipe Levi, a conclusão óbvia é que tais "principados e potestades" também foram instituídos por ele? Certo? E o pior/melhor é que ele está mesmo certo! Em João 12:3 Jesus Cristo chama o próprio Satanás de "príncipe deste mundo". Do que ele está falando, mermão? Deus não instituiu todas as autoridades? Vai ver Ele também colocou Satã como príncipe deste mundo. Ou a máxima de Paulo só vale quando você quer?”

Contra-argumento: Errado, “Os céus são os céus do SENHOR; mas a terra a deu aos filhos dos homens.” Salmos 115:16 . Isto combina muito bem com o relato da criação. Como então o Diabo veio a ser o “príncipe deste mundo”? Pedro explica “Prometendo-lhes liberdade, sendo eles mesmos servos da corrupção. Porque de quem alguém é vencido, do tal faz-se também servo.” 2 Pedro 2:19 . O homem (em Adão) foi vencido pelo Diabo, e tornou-se seu servo. Sempre que alguém é vencido pela tentação, dá “autoridade” ao Diabo. Os governos humanos, por outro lado, embora obtenham parte de seu poder da dominação injusta, obtém também por concordância das pessoas na necessidade de governo.

Argumento: “Hananias, Misael e Azarias não foram POLÍTICOS de Deus em nações pagãs coisa nenhuma. Isso não existe. "Político de Deus" é invenção da bancada evangélica do Planalto. Isso é empulhação. Eles eram FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS em Babilônia. A contragosto! Afinal, foram levados, ainda na adolescência, como cativos junto com outros judeus após a destruição de Jerusalém por parte de Nabucodonosor no sétimo século AC.Não há problema em executar serviço público no estado. Nunca afirmei isso aqui. Hananias, Misael e Azarias são exemplos de como o servo de Deus deve viver debaixo do domínio do estado sem se deixar corromper por ele. Na questão da adoração da imagem de Nabucodonosor - que era mais um evento cívico e patriótico do que um evento religioso em si - eles foram claramente CONTRA o estado de Babilônia. Deixaram claro que não reverenciariam a bandeira do estado”

Contra-argumento: Blogildo, você não definiu o que é um político. Penso em duas definições possíveis, embora não completas:
1ª Aquele que procura influenciar as políticas do estado (entendo como políticas do estado as ações do estado e seus objetivos). Nesse sentido, não só os citados eram políticos, mas também Ester, Mardoqueu, os apologistas cristãos (inclusive Lucas, ao endereçar seus livros a alguém em cargo político), os quacres e metodistas, na luta contra a escravidão, eu, você e todos os blogueiros que falam de política, os evangélicos e católicos que lutam contra a aprovação do aborto, etc. De qualquer forma, por que seria inapropriado um cristão influenciar o estado? Na verdade, não só é apropriado, como às vezes é necessário.
2ª Funcionário público eleito por voto. Por que motivo ser eleito por voto seria impróprio para um cristão, mas ser escolhido por outro critério não seria? O eleito NÃO tem de se alinhar automaticamente à ideologia e política do estado. Ele é mais livre e menos sujeito à constrangimento e dilemas que o funcionário nomeado ou concursado. O próprio texto de Daniel mostra que os quatro judeus passaram por situações de dilemas terríveis, mais do que estaria sujeito um político cristão. Seu sucesso deveu-se ao caráter, não à ausência de dilemas.


Argumento: “Todo estado é uma manifestação de autoridade tolerada e permitida por Deus. Mas não são entidades que contam com a aprovação divina. A única nação que gozou desse privilégio foi Israel.Na verdade, quem vive babando o estado é que está exaltando o poder do Diabo e não o contrário”. “A Bíblia tem uma posição clara nessa questão. No VT temos sempre "todas as nações" contra Israel. No NT temos o império romano contra os cristãos, culminando na apresentação de estados como bestas em Apocalipse. Não percebe aí uma postura clara anti-estado? Eu percebo.”
Contra-argumento: A Tanach (AT) freqüentemente fala a respeito da oposição das nações ao povo escolhido. É fato bem conhecido através da história. Mas isto implica em que é ilegítimo haverem governos das nações? O fato dos povos (as pessoas) serem contra os israelitas implica em que deveria haver anarquia? O texto bíblico é bem explícito sobre a fonte da oposição, fala das nações, não dos governos. Os povos, por serem contrários a Deus, odeiam o povo israelita e o seu país. Não é por terem governo que eles se opõem a Israel, mas por serem pecadores. “O mundo jaz no maligno” diz o apóstolo, e o diabo é chamado de “príncipe deste mundo”. Eis aí a fonte da oposição, desde a matança das crianças no Egito, a tentativa de extermínio na Babilônia, o anti-semitismo, os progrons, o holocausto, e mais recentemente, a demonização dos israelenses pela mídia.
Mas continuemos por outra linha. Quando os apóstolos saíram a testemunhar do Cristo, e foram levados à presença de príncipes e reis, nunca sua mensagem foi de “auto-extinção dos governos”. A anarquia nunca foi um norte moral, ou uma meta, ou um estado melhor das coisas, na visão dos apóstolos ou do Seu Mestre. Falavam aos governantes sobre praticar a justiça, não sobre deixar o seu posto.
Mais interessante ainda, o estado ideal de coisas proposto pela própria Bíblia, em seus textos proféticos, não é de extinção dos governos, mas da rendição dos governantes ao Eterno. De acordo com as profecias, no milênio continuarão existindo governos nacionais, porém seus titulares serão homens arrependidos de seus pecados, homens que buscarão a justiça e a paz. Dizer que algum governo não tem aprovação divina pode ter dois sentidos: Pode significar que tal governo não deveria existir, o que você não prova. E pode significar que tal governo não se comporta de acordo com o que é exigido pelo Criador. Nesse sentido, freqüentemente o próprio governo hebraico não teve aprovação divina.
Mas, por que devem existir os governos? A própria Bíblia nos explica: para castigo dos maus, e louvor dos bons, isto é, em linguajar mais atual, para que exista justiça. É assim determinado pelo Eterno, embora os governantes freqüentemente ajam com injustiça. Mesmo assim, é preferível que existam governos, pois na anarquia absoluta há grandíssima injustiça, a total imposição da vontade dos mais fortes, sem nenhuma outra consideração que não o interesse ou simples vontade deles.
De qualquer forma, ainda que os governos freqüentemente se opõem ao Criador, isto de forma alguma resulta em que não devemos agir politicamente, inclusive nos elegendo para mudar diretamente as políticas de governo. Na verdade, o contrário é verdade, pois justamente onde os governos mais se opõem a Deus é que mais fortemente devemos tentar agir politicamente. Onildo, meu amigo, SUAS CONCLUSÕES NÃO SEGUEM SUAS PREMISSAS.

Argumento: A rejeição dos primeiros cristãos a muitas carreiras na estrutura do estado indica-nos que esta deve ser nossa posição: “Aí eu conto também com o exemplo histórico dos primitivos cristãos em relação ao estado.”

Contra-argumento: Era uma atitude não baseada na Bíblia. Geralmente as práticas cristãs sem base bíblica tem origem em situações práticas vividas pelos crentes. No caso dos primeiros cristãos, a perseguição do império contra eles seria explicação suficiente para tal prática. Além disso, mais do que um governo nacional, Roma era um império, que mantinha seu poder pela força coercitiva sobre outros povos, inclusive o povo a que pertencia cada cristão em particular. Um soldado romano poderia ser obrigado a práticas injustas, em benefício do império.

Argumento: As possíveis contradições entre as exigências da carreira militar, policial ou política em relação à ética cristã e ao valor de Israel como povo escolhido. “Responda a pergunta que propus no final do post: Do lado de quem os cristãos estavam quando Roma invadiu Judá? Os cristãos judeus lutaram de que lado? Os cristãos romanos lutaram de que lado? Responda essa pergunta e você verá com base em quê eu afirmo que um cristão não pode servir o exército de seu país.”

Contra-argumento: A vida do cristão é uma vida de contradições e “saias justas”, ele enfrenta dilemas entre os amigos, na escola, no serviço, dentro da comunidade. E temos dificuldades, às vezes nossa ação não é a melhor, às vezes nem discernimos qual a ação mais adequada. Estes dilemas não se restringem de forma alguma às três carreiras citadas. Alguns argumentarão que a ética cristã exige “dar a outra face”. Este é um preceito que precisa ser entendido dentro de cada contexto, na vida pessoal. Mas só na vida pessoal, não é um preceito que se aplique a grupos, só a indivíduos. Ninguém tem o direito de “dar a outra face de terceiros”. Este princípio não pode ser a negação da legítima defesa, pois a negação da legítima defesa é a própria cumplicidade com o crime, como vemos ocorrer atualmente no Brasil, onde os criminosos são “vítimas da sociedade” e as vítimas são “os culpados pelos crimes dos criminosos”, segundo a mídia e a academia. É certo que o Cristo não pregaria a cumplicidade com o crime. Portanto, não existe contradição essencial entre as carreiras política, militar e policial e a ética cristã, mas apenas os dilemas comuns, em qualquer carreira.
No caso da luta contra os romanos, o princípio da autoridade civil não é absoluto. Rebelar-se contra uma potência estrangeira não é errado em princípio, e muitos judeus e cristãos os fizeram. Os judeus agiriam bem em se juntar à revolta? próprio Jesus já havia respondido “31 Ou qual é o rei que, indo à guerra a pelejar contra outro rei, não se assenta primeiro a tomar conselho sobre se com dez mil pode sair ao encontro do que vem contra ele com vinte mil? 32 De outra maneira, estando o outro ainda longe, manda embaixadores, e pede condições de paz.” (Lucas, capítulo 14).

ARIANOS E TRINITARIANOS INVERTENDO DE POSIÇÃO

Os Testemunhas de Jeová são um grupo ariano moderno, isto é, fizeram renascer a doutrina de Ário, bispo cristão que pregava que o Cristo não era Deus. É um grupo que rejeita a doutrina da trindade, ou qualquer doutrina que veja o Filho como o Deus Todo Poderoso. Os TJ identificam Jesus com o arcanjo Miguel.
O ponto que mais chama a atenção nesse debate em torno da propriedade ou não da carreira militar para os cristãos, é que o EXÉRCITO romano após Constantino, tornou-se uma instituição essencialmente ARIANA, em oposição ao restante da sociedade, que seguia o trinitarianismo ou outras doutrinas. Os militares romanos viam a doutrina trinitariana, o modalismo, o unitarianismo, etc, como erros dos “incongruentes” civis. Suponho que um romano do fim da antiguidade ou do início da idade média, que pudesse conhecer o que se passa hoje, se espantaria em ver os crentes de muitos grupos cristãos trinitarianos, unicistas ou modalistas exercendo o ofício militar sem problemas, enquanto os arianos são os anti-militaristas. Nada como um dia depois do outro.


CONCLUSÃO

Qual a origem do instinto gregário humano? Suponho que o Criador nos dotou da capacidade de agir em conjunto, e exercer nossa ação política e social, com o objetivo de dar aos homens instrumentos adequados para o exercício da justiça e, principalmente, para que nos realizemos também na vida em comum.

13 comentários:

Blogildo disse...

Brilhante exposição! Você domina muito bem o assunto, Renato! Vou ter de suar um pouco a camisa com algumas premissas.
Mas adianto algumas coisas:
1 - Não sou anarquista e não prego o anarquismo. Acredito que o mundo viveu um período chamado de "tempos dos gentios" e que "Jerusalém seria pisada" nesse período. Ou seja, enquanto os governos das nações dominam, os cristãos seriam pisados e não se envolveriam em tais governos. Acreditar que Deus permite a existência de tais governos não significa adesão ao anarquismo. Seria negar a própria essência do cristianismo.

2 - Acredito que a principal questão com que o cristão se confronta é: Quem tem o direito de governar os povos? Deus ou alguma outra pessoa? Toda a Bíblia é pautada por essa questão.

Mas você levantou alguns pontos interessantes que me obrigam a rever algumas análises.

Mas repito que foi muito boa sua réplica!

João Batista disse...

Onildo expôs no blog até agora a condenação aos estados e governos humanos e a aprovação pelo Reino de Israel, deixando em suspenso o que fazer dos modernos estado-nação, o que fazer no presente. Por um lado, o estado e governo são denunciados. Por outro, o Blogildo repete incessantemente que não é anarquista. Ele aceita que o estado exista, mas não que cristãos participem de seu governo. O nome disto, hoje, é suicídio. Se Roma já perseguiu os cristãos, nunca possuiu os meios que o moderno estado-nação tem à sua disposição para erradicar o cristianismo, como a Albânia e Coréia do Norte demonstraram em grau máximo e todos os outros países comunistas e revolucionários em outros graus. É quase uma profecia auto-realizável: se os cristãos abdicassem completamente, os estados e governos se tornariam monstruosidades condenáveis.

O primeiro mundo hoje prossegue catalogando seus cidadãos como fazia o segundo mundo e os meios de rastrear a vida de um indivíduo só crescem com o passar dos anos. Roma, o Egito ou qualquer outra nação antiga jamais possuiu em estoque o odor corpóreo de seus cidadãos como mais um meio de identificá-los. Jamais puderam analisar toda uma parte da correspondência de todos os seus cidadãos automaticamente. Nunca puderam trazer um documento queimado ou destruído de volta à vida. Nunca puderam saber, em tempo real, a localização espacial dos indivíduos, com precisão métrica. Os cristãos abdicarem da política e do estado hoje significa entregar uma poderosa máquina capaz de injustiças e morticínios jamais vistos na história nas mãos daqueles que os querem erradicar. Não vivemos numa abstração onde é uma possibilidade real os cristãos se ausentarem do estado e do governo. Assim feito, não viveriam fora do estado, mas morreriam fora do estado.

Thiago disse...

Olá, passei pra agradecer por ter me linkado ao seu blogroll... Estou retribuindo a honraria... Abraços.

Aprendiz disse...

Onildo

Fico contente que você tenha gostado do texto. Tenho sua opinião em grande conta, e se você acha que argumentei bem, isto me deixa feliz.


João

Também penso que a justiça não proteje os que dormem. Abster-se de agir politicamente é suicídio. Mas os cristãos precisam chegar a dar o primeiro passo, isto é, conhecer um pouco melhor os grupos políticos reais e suas verdadeiras articulações. Por isso gosto tanto do Onildo. Ele faz maravilhosamente bem o trabalho POLÍTICO de expor os atores políticos, principalmente no campo cultural, que é o básico.


Thiago

Honrado estou eu, você escreve muitíssimo melhor e fala de assuntos bastante interessantes.

Blogildo disse...

Tem um detalhe que vocês estão ignorando em relação aos estados moderno. Já leram sobre o quinto selo no Apocalipse? Pois é. Ali os cristãos são colocados como as grandes vítimas do estado. Em momento algum a Bíblia sugere explicitamente que o cristão deva participar do estado.
Quando se lê a história do cristianismo primitivo percebe-se que os estados geralmente tinham três opções: 1) Perseguiam os cristãos sistematicamente; 2) Ignoravam os cristão; 3) Tentavam trazer o cristianismo para dentro do estado.

A primeira nunca funcionou. Parece que quanto mais perseguidos mais se multiplicam. A segunda não funcionava. Afinal, logo, logo os parentes da classe dominante estavam aderindo ao cristianismo e isso acabava fazendo com que o estado voltasse para a primeira opção.
A terceira é que constitui a verdadeira e única tentação para o cristão. É como o Diabo oferecendo para Cristo todos os reinos do mundo.

Concluindo: Se acreditamos MESMO em Deus e temos fé, não precisamos nos preocupar em entregar uma poderosa máquina capaz de injustiças e morticínios jamais vistos na história nas mãos daqueles que [n]os querem erradicar.

Blogildo disse...

Renato, vc recebeu meu comentário final?

Aprendiz disse...

Oi Onildo

Primeiro, um pedido de desculpas. fiz uma confusão danada e o seu post acabou ficando no limbo.

Agora, comentando os seus comentários, concordo com suas assertivas, mas delas eu não tiro suas conclusões.

Senão, vejamos:
O imperio do anti-cristo perseguirá os cristãos e foi uma tremenda bola-fora os cristãos terem aceito que o cristianismo se tornasse a religião oficial do imperio romano. PORTANTO: É errado um cristão se eleger vereador, deputado ou governador, embora seja correto ele fazer carreira no serviço público federal até se tornar acessor direto de um ministro.

Não entendi a lógica.

Mais ainda: Aquilo que não é sujerido pela Bíblia é pecado?

Blogildo disse...

Não, não é. Um funcionário público apenas executa um serviço como qualquer outro. Não há necessariamente vínculo com o âmago do estado: Poder sobre outros. Ao contrário do que alguns afirmam, Daniel, Hananias, Mizael e Azarias não eram politicos de Babilônia. Não participavam do jogo do poder. Eram apenas servidores públicos. Isso estabelece fundamentalmente a diferença.
O único que parece não se encaixar exatamente nessa fórmula é José do Egito. Parece que ele tinha realmente poder de estado em suas mãos. Mas não há nada conclusivo quanto a isso.

Voltando ao Apocalipse: Já leu o capítulo 16? Ali fala do Armagedom. O que é o Armagedom? Ali mesmo é sugerido (versículos - estou citando de cabeça - 13 até 13) que os reis de toda a terra são ajuntados pelas rãs que saem da boca da fera, do falso profeta e do próprio Dragão. Não fica claro aí a natureza maligna do estado secular?

O que não é sugerido na Bíblia não necessariamente será pecado. Claro que não. Mas a Bíblia é o livro mais importante para o cristão. Logo, o que não é sugerido ali deve ser ao menos considerado. Você não acha?

Ps.: Tava de férias? Senti sua falta na blogosfera.

Abs!

Aprendiz disse...

Sim Onildo, voltei de férias.

Veja bem, os governos que obedecem a besta não são malignos por exitirem ou "porque sim". Eles são malignos por obedecerem a beste e desobedecerem o Criador. É simples assim.

Funcionário público sempre obedece e manda também. Com certeza os quatro judeus, que estavam em altos cargos, mandavam em muita gente. Assim como mandou Mardoqueu, que assinou uma lei (ele tinha o sinete real, para escrever o que quisesse). Igual poder tinha José.

Estes três homens, Josué, Daniel e Mardoqueu, foram vizires (primeiro-ministros). Eles não só mandavam, eles tinham o poder de legislar e até de mandar prender. Cada um deles tinha poder igual ao do congresso, casa civil e STF do governo brasileiro. Não era pouca coisa!!!

Blogildo disse...

Mas Mardoqueu, ou Mordecai, correu o risco de ser morto. Não tinha tanto poder assim.
José salvou o Egito da fome e seus descendentes viraram escravos.
Daniel foi descartado quando o neto de Nabucodonosor estava no poder. E quase foi morto sob o domínio Medo-Persa.
Observe que os estados em que eles serviam eram hostis em algum grau. Essa é a natureza do estado. Nocivo. Sempre nocivo.
Não é porque eu quero. É porque é recorrente. É histórico. É um mal necessário.

É bom ver você de volta!
Já vi que tem muita coisa pra ler no seu blog.
Abraço!

Aprendiz disse...

Blogildo

Há uma imprecisão. O risco que Mardoqueu (ou Mordecai) sofreu foi anterior ao seu poder.

Não nego a opressão dos estados contra o povo do Eterno, porém atribuo isso ao mal que está nas pessoas e não ao fato de existirem autoridades civis. Todas as instituições humanas são opressivas em certa medida (e muito opressivas, em certas ocasiões), mas isto não significa que elas não deveriam existir, mas sim que os homens deveriam abandonar a injustiça e buscar o Bem.

Blogildo disse...

Contra-argumento: Errado, “Os céus são os céus do SENHOR; mas a terra a deu aos filhos dos homens.” Salmos 115:16 . Isto combina muito bem com o relato da criação. Como então o Diabo veio a ser o “príncipe deste mundo”? Pedro explica “Prometendo-lhes liberdade, sendo eles mesmos servos da corrupção. Porque de quem alguém é vencido, do tal faz-se também servo.” 2 Pedro 2:19 . O homem (em Adão) foi vencido pelo Diabo, e tornou-se seu servo. Sempre que alguém é vencido pela tentação, dá “autoridade” ao Diabo. Os governos humanos, por outro lado, embora obtenham parte de seu poder da dominação injusta, obtém também por concordância das pessoas na necessidade de governo.

Pois bem, há mais coisas que indicam que o Diabo domina o mundo. Em Lucas 4:5-7 lemos: 5 E o diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo.
6 E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória; porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero.
7 Portanto, se tu me adorares, tudo será teu.


Veja só, foi dado a ele. É bom lembrar que isso era uma tentação para Cristo. O Diabo não estava mentindo neste caso. O próprio Jesus disse mais tarde em João 14:30 30 Já não falarei muito convosco, porque se aproxima o príncipe deste mundo, e nada tem em mim;
Observe que Jesus nunca negou aquela autoridade que o Diabo disse ter: TODOS OS REINOS DO MUNDO.

Além disso, a profecia de Apocalipse é clara em mostrar Miguel/Cristo contra TODOS os reis da Terra na batalha do Armagedom.

De fato, Deus deu a terra aos homens. Mas o mundo está no maligno. (1 João 5:19)

Aprendiz disse...

Grande Onildo

Concordo com a maioria das suas proposições. Mas não chego às suas conclusões.

Desculpe-me a demora.